sexta-feira, 22 de maio de 2015

Médicas do São João do Porto oferecem consultas e motivam enchente em hospital de Bissau

Duas médicas portuguesas do Hospital de São João do Porto começaram na segunda-feira a dar consultas gratuitas para despiste de diabetes e hipertensão no Hospital Pediátrico de Bór, nos arredores de Bissau, literalmente invadido por pacientes.


null
Inês Ferreira e Raquel Miriam Ferreira chegaram à Guiné-Bissau como voluntárias numa missão que pretendem levar a cabo durante 15 dias, mas que as próprias já consideram insuficiente devido à procura.

As duas médicas de clínica geral portuguesas queriam atender diariamente 40 pacientes, mas devido às solicitações acabam por observar mais do que esse número, contou à agência Lusa Raquel Ferreira, no meio de uma consulta.

"A diabetes tem crescido muito e daí a necessidade de dar informação e de rastrear a população", sublinhou.

Ter diabetes acarreta "muitos riscos, essencialmente a nível cardiovascular", mas também complicações oculares, nos pés ou rins, indicou Inês Ferreira.

Muitos doentes, de ambos os sexos, chegam ao hospital de Bór nas primeiras horas do dia na esperança de serem atendidos pelas médicas portuguesas, cuja presença tem sido noticiada nos órgãos de comunicação social locais.

"Tem havido muita procura. As pessoas chegam ao hospital muito cedo, porque ouviram falar na radio, na televisão e vêm à nossa procura. As pessoas têm grande abertura e querem saber qual o seu estado em relação a estas duas doenças", acrescentou Raquel Ferreira.

Numa primeira análise, as duas médicas portuguesas admitem que a diabetes e a hipertensão têm crescido na Guiné-Bissau devido ao "estilo de vida e aos hábitos alimentares" da população.

Como conselhos, recomendam o abandono do modo de hábitos sedentários, "comer menos e mais vezes ao dia, preferir legumes, comer arroz e batata separadamente e em poucas quantidades, reduzir o sal nos alimentos e sobretudo praticar exercício físico, pelo menos, três vezes por semana".

MB // APN

Lusa

Portugal envia mais quatro especialistas para prevenir Ébola na Guiné-Bissau



A Direção-Geral de Saúde vai enviar mais quatro especialistas para ajudar a detetar e prevenir o vírus Ébola na Guiné-Bissau, respondendo a um pedido da Organização Mundial da Saúde (OMS) e reforçando a equipa portuguesa no país.


LUIS MIGUEL FONSECA/LUSA Hospital Regional de Gabu, cidade do Leste da Guiné-Bissau.
"A Organização Mundial da Saúde (OMS) em Genebra contactou a Direção-Geral da Saúde (DGS) no sentido de selecionar rapidamente especialistas em epidemiologia e antropologia para se deslocarem de imediato à Guiné-Bissau e este pedido da OMS foi respondido positivamente", reforçando-se a missão já em Bissau, disse à Lusa Francisco George, o diretor-geral da DGS.

"Selecionámos quatro especialistas de imediato para serem contratados pela OMS", referiu ainda Francisco George, sem acrescentar mais pormenores.

A Guiné-Bissau possui desde março um laboratório instalado por Portugal, no qual especialistas do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e do Instituto Nacional de Saúde (INSA) Dr. Ricardo Jorge podem detetar o vírus Ébola a partir de amostras em cerca de cinco horas.

Antes desse laboratório, era necessário recorrer ao estrangeiro, com prazos mais longos e arriscando a que a demora na análise comprometesse o isolamento das cadeias de transmissão.

Cinco casos de Ébola foram detetados num município do norte da Guiné-Conacri que faz fronteira com a Guiné-Bissau, anunciou na quarta-feira a OMS.

De acordo com o relatório de quarta-feira da OMS, a semana passada foi aquela em que se registou o maior número total de casos confirmados de Ébola ao longo de um mês, com 35 casos notificados da Guiné-Conacri e Serra Leoa.

Dada a proximidade, "uma equipa de resposta da Guiné-Bissau foi enviada para a fronteira para avaliar pontos de entrada", anunciou a OMS.

Por outro lado, "uma equipa de investigação epidemiológica também se mobilizou para garantir que quaisquer contactos que atravessam a fronteira são rastreados".

Apesar de os países vizinhos (Guiné-Conacri, Mali e Senegal) já terem sido afetados pela epidemia, nenhum caso de Ébola foi detetado na Guiné-Bissau.

A equipa de portugueses que está na Guiné-Bissau a ajudar este país na deteção do Ébola já apoiou os profissionais locais a controlarem um surto de sarampo e um outro de meningite, assim como estão a desenvolver atividades de formação.

A África Ocidental foi atingida por um grande surto de Ébola, que teve início no fim de 2013/início de 2014, que já matou mais de 10 mil pessoas e os países mais afetados são Serra Leoa, Guiné-Conacri e Libéria, segundo a OMS.

Greenpeace denuncia pesca ilegal chinesa na Guiné-Bissau

A Greenpeace apresentou hoje em Pequim, China, o resultado de um grande inquérito que revela que as frotas chinesas pescam ilegalmente na África Ocidental, incluindo na Guiné-Bissau.

De 13 em 1985, o número de navio de pesca com pavilhão chinês ou propriedade de empresas chinesas aumentou para 462 em 2013, refere a organização ambiental.

Em oito anos, a organização não-governamental identificou 114 casos de pesca ilegal realizados por aqueles navios em águas da Gâmbia, Guiné-Conacri, Guiné-Bissau, Mauritânia, Senegal e Serra Leoa.

Aqueles navios estavam a operar sem licenças ou em áreas proibidas.

A pesca ilegal foi denunciada pela Greenpeace e pela União de Coordenação de Operações de Vigilância da Comissão regional de pescas, com sede em Dacar.

Segundo a organização, 60 daqueles casos estão relacionados com a maior empresa de pesca da China, a China National Fisheries Corporation, detida pelo Estado chinês.

"Apesar do governo chinês estar a eliminar algumas práticas de pesca mais destrutivas nas suas águas, as lacunas nas políticas existentes conduzem à aplicação de normas menos rigorosas em África", lamenta em comunicado a organização.

Os casos mais recentes detetados pela Greenpeace ocorreram nas zonas económicas exclusivas do Senegal, Guiné-Bissau e Guiné-Conacri entre 26 de outubro e 21 de novembro de 2014.

Questionado pela agência noticiosa AFP, um responsável da empresa estatal de pescas chinesas recusou responder.

"Enquanto a China estendeu a mão a África durante o surto de ébola, empresas sem escrúpulos chinesas exploram ilegalmente o meio marinho da África Ocidental, aproveitando-se da fraca supervisão das autoridades locais e chinesas e prejudicando os pescadores locais e o meio ambiente", disse Rashid Kang, chefe da Greenpeace para a China.

Missão do BAD na Guiné-Bissau avalia impacto ambiental da barragem de Saltinho

Uma missão do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) encontra-se na Guiné-Bissau para proceder à revisão dos estudos de avaliação do impacto ambiental levados a cabo nos anos 80 por algumas empresas para a construção da barragem de Saltinho.
Resultado de imagem para barragem de Saltinho.Guiné-Bissau
A missão de peritos ambientais daquela instituição financeira internacional já se deslocou à localidade de Saltinho e manteve um encontro com o ministro guineense dos Recursos Naturais, Daniel Gomes, a quem informou das potencialidades daquela futura barragem.

Na ocasião, o ministro Daniel Gomes informou que, aquando da sua estada em Saltinho, a missão disse ter identificado o local em que aquela infra-estrutura de produção hidroeléctrica deveria ser instalada, isto tendo em conta o impacto local em termos ambientais.

A missão do BAD reuniu-se, igualmente, com o ministro das Finanças, Geraldo Martins com quem discutiu os aspectos financeiros ligados ao referido projecto tendo o ministro Daniel Gomes afirmado que após a conclusão dos trabalhos será provavelmente lançado o concurso público para a construção da referida barragem.

O ministro dos Recursos Naturais disse ainda que só depois de concluídos os estudos é que só estimar o custo da construção e recordou que o empreendimento insere-se num projecto sub-regional denominado Organização para o Aproveitamento do Rio Gâmbia, que além da Guiné-Bissau integra o Senegal, a Gâmbia e a Guiné-Conacri.

Guiné-Bissau prepara conferência de reconciliação nacional

Comissão Nacional é liderada pelo vigário-geral da diocese de Bafatá.
Foto de Arquivo
Um ano após o regresso da Guiné-Bissau à normalidade constitucional, o país prepara agora um conferência nacional de reconciliação. Uma iniciativa da qual se espera transparência e responsabilização, antes de se cicatrizar as feridas de um país com um longo historial de instabilidade.

Guiné-Bissau prepara conferência de reconciliação nacional - 2:07

por 32 personalidades, entre académicos, membros de organizações da sociedade civil, dirigentes políticos e religiosos e juristas.

Nas ruas, os cidadãos revelam uma enorme expectativa quanto ao trabalho desta comissão e da conferência nacional.

Eliseu Aguinaldo da Silva aplaude a iniciativa, mas espera que não seja uma reconciliação de fachada. Primeiro, quer conhecer os culpados para depois falar de uma eventual amnistia e reconciliação.

Na mesma linha, Januário Jaló, que há nove anos estava fora do país, diz ter acompanhado no Brasil e no Reino Unido “amargamente os acontecimentos violentos que marcaram a terra que o viu nascer, através da imprensa. Por isso concorda com a iniciativa e augura um futuro melhor para a Guiné-Bissau.

A Comissão Nacional para a Preparação da Conferência de Reconciliação na Guiné-Bissau é liderada por Domingos da Fonseca, vigário-geral da diocese de Bafatá, no leste do país, igualmente padre da Igreja de Buba, no sul da Guiné-Bissau, que já apontou a promoção da paz como o seu principal objectivo.

Fonte : VOA

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Novas infra-estruturas : Primeiro-ministro visita estradas em construção na capital

Bissau – O Primeiro-ministro guineense, Domingos Simões Pereira, visitou na sexta-feira, 16 de Maio, as vias urbanas em construção na capital, Bissau, com a finalidade de acompanhar a evolução das referidas obras.



Entre as localidades em reabilitação constam a Avenida Osvaldo Vieira, a Avenida Cidade de Lisboa, a estada do Bairro Militar, a estrada de Pluba, a estrada em volta de Bissau, bem como a estrada que liga a rotunda do Bairro de Quelele ao Líbia Hotel.

Em declarações à Imprensa, Domingos Simões Pereira disse que se trata de uma visita de rotina para constatar o nível de avanço das obras, o que já tinha sido feito antes mas ganha agora especial relevância com o aproximar da época das chuvas.

Neste sentido, o Primeiro-ministro disse acreditar que os trabalhos serão concluídos sem maiores complicações devido às chuvas.

«Já constatei dificuldades de várias situações que eles estão a encontrar no terreno, porque que normalmente quando uma estrada é projectada primeiro colocam-se tubos de reserva para que todas as condutas possam ser canalizadas, o que não é o caso aqui, pois eles estão a trabalhar e a encontrar barreiras que devem ter soluções, que têm outras implicações financeiras», disse Simões Pereira.

Apesar desta situação, o Chefe do Governo disse acreditar nas capacidades dos técnicos das obras públicas, no sentido de resolverem a situação.

«Acredito não só nas qualidades das pessoas que estão envolvidas nestas obras como também na capacidade de resolverem estes problemas», disse o Chefe do Governo.

Líder Benfica perde terreno para o Sporting na Guiné-Bissau

Na jornada que se realizou durante o último fim de semana ficou por realizar a partida entre São Domingos e UDIB devido a questões administrativas.
Futebol
O líder Benfica cedeu um empate na deslocação a Canchungo na 17.ª jornada da Primeira Divisão de futebol da Guiné-Bissau e o Sporting, segundo classificado, aproveitou para reduzir a diferença para o topo da classificação.

Numa das jornadas com mais golos (22) nesta época, a partida entre Canchungo e Benfica não foi exceção, com um total de seis remates certeiros que resultaram num empate (3-3).

O Sporting foi a Bambadinca vencer a equipa local pela margem mínima (1-0), mas suficiente para ficar apenas a um ponto do líder.

Leões’ e ‘águias’ defrontam-se no próximo fim-de-semana.

Na jornada que se realizou durante o último fim de semana ficou por realizar a partida entre São Domingos e UDIB devido a questões administrativas.

Resultados da 17.ª jornada

Cuntum - Estrela Negra de Bissau, 4-1.

Bolama - Bijagós, 2-1.

São Domingos - UDIB (*).

Bafatá - Balantas de Mansoa, 1-0.

Canchungo - Benfica, 3-3.

Bambadinca - Sporting, 0-1.

Portos de Bissau - Bula, 2-4.

(*) não se realizou por questões administrativas.

Dois funcionários do Ministério do Comércio da Guiné-Bissau detidos

Dois funcionários do Ministério do Comércio, Artesanato e Indústria encontram-se detidos desde esta Segunda-feira, 18 de Maio, no Comissariado da Polícia da Ordem Pública, na Secção Administrativa do Sector de Ingoré, região de Cachéu, acusados de prática de desvio da castanha de caju para a vizinha República do Senegal.

Bissau


Segundo a agência de notícias PNN, também está detido um cidadão cuja identidade não foi revelado. A polícia apreendeu duas toneladas de caju que tinham por destino o Senegal.

No início da presente campanha de comercialização de castanha de cajú, o Governo de Bissau proibiu expressamente a saída de caju do território nacional via terrestre.

Programa BBC mostra vida de toxicodependente de Bissau em banda desenhada

A cadeia de televisão pública britânica BBC está a exibir esta semana um programa em que retrata o consumo de droga em Bissau através de banda desenhada, disse à agência Lusa um dos produtores, Benjamin Dixie.
Imagem do genérico da série Hooked
"Fala-se muito do tráfico de droga internacional na Guiné-Bissau, mas as histórias pessoais raramente são contadas. Através da banda desenhada podemos fazê-lo sem estigmatizar ninguém", explicou.

Intitulada "Hooked", título que significa "agarrado" em português, a série está a passar até sexta-feira na TV e na Internet no espaço de notícias da BBC dedicado a África e mostra a vida de um toxicodependente.

Benjamin Dixie espera poder voltar à Guiné-Bissau com a série traduzida para Crioulo e Português "para educar os estudantes para os perigos do consumo de drogas e os efeitos negativos para as famílias e amigos".

O britânico, diretor da empresa Positive Negatives (www.positivenegatives.org), dedica-se a ir para o terreno em diferentes pontos do globo, apurar histórias que depois transforma em BD através de desenhadores contratados de acordo com o perfil de cada projeto.

Já abordou a vida de emigrantes somalis na Europa, a exploração laboral no Golfo Pérsico e o conflito no Sri Lanka, entre outros temas, e tem sido solicitado para transformar relatórios de organizações internacionais em histórias aos quadradinhos, porque "são mais lidas e têm mais impacto".

Benjamin Dixie esteve em Bissau durante o mês de janeiro e passou alguns dias com consumidores de "crack" num dos bairros da capital guineense.

Acompanhou-os, conversou com eles e tirou fotos que depois entregou juntamente com um argumento ao desenhador Tayo Fatunla, com o qual trabalhou na coprodução com a BBC.

"Foi fácil encontrar toxicodependentes nos bairros de Bissau, em especial consumidores de ?crack', um estupefaciente muito viciante e lucrativo", referiu.

Uma porção de 50 dólares de cocaína "pode ser facilmente transformada em ?crack' no valor de 220 dólares".

Benjamin Dixie precisou de alguns dias até ganhar a confiança dos consumidores de droga, mas conseguiu-o.

No final saiu de Bissau "com fortes laços de amizade" com a comunidade local.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Guiné-Bissau tem novo rosto à frente da Liga dos Direitos Humanos

Guiné-Bissau / Logotipo Liga Guineense dos Direitos Humanos

Sem surpresas o advogado Augusto Mário foi eleito presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, para um mandato de quatro anos, substituindo no cargo Luís Vaz Martins que esteve na direcção da Liga nos últimos oito anos.

O vice-presidente da Liga Augusto Mário da Silva propôs-se continuar na senda do combate contra a impunidade no qual a Liga tem estado na linha da frente na Guiné-Bissau.


Augusto Mário é o novo presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos
Mário da Silva deve tomar posse ainda no decurso deste mês, mas já anunciou alguns eixos do seu mandato que passará pela Consolidação das conquistas alcançadas pela direcção cessante, o reforço de capacidade de intervenção da organização através de um processo de reestruturação do grupo de activistas, a consolidação do estado de direito, o combate à impunidade, o reforço de sistema de protecção dos direitos humanos, com ênfase para crianças, e as mulheres. O novo presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos quer também trabalhar no reforço da participação da organização nas instâncias internacionais da defesa dos direitos humanos.

Augusto Mário da Silva quer ver a Liga Guineense dos Direitos Humanos a aproximar-se da Organização Mundial contra a tortura e as instâncias das Nações Unidas que tratam dos direitos humanos.

Governo substitui chefias da Polícia e da Guarda Nacional

Resultado de imagem para Guiné-Bissau Tomás DjassiBissau - O Conselho de Ministros do governo da Guiné-Bissau decidiu substituir as chefias da Polícia de Ordem Pública (POP) e Guarda Nacional (GN), disse hoje (sexta-feira) à agência Lusa fonte do executivo.

Armando Nhaga, comissário nacional da POP, vai ser substituído no cargo por José Marques Vieira, que até aqui desempenhava as funções de inspetor-geral do Ministério da Administração Interna (MAI).

Tomás Djassi, comandante-geral da GN, cede o lugar a Fernando Marna, que era comandante-adjunto da mesma força.

As decisões foram tomadas na reunião do Conselho de Ministros de quinta-feira.

Djassi tinha sido designado para o cargo pelo governo de transição nomeado após o golpe de Estado militar de abril de 2012.

Nhaga já ocupava o cargo há mais tempo: foi escolhido enquanto Carlos Gomes Júnior era primeiro-ministro e continuou em funções depois do último golpe.

A reforma do sector da Defesa e Segurança é uma das prioridades apontadas pelo actual governo eleito em 2014 e liderado por Domingos Simões Pereira.

A ministra da Defesa da Guiné-Bissau, Cadi Seidi, anunciou este mês que até final do ano serão desmobilizados 500 elementos das forças armadas e de segurança do país, no âmbito da reestruturação do sector.

A passagem à reforma de 500 elementos deverá abranger as categorias mais altas da hierarquia: "provavelmente não haverá muitos soldados, haverá mais oficiais" nesta fase, explicou a ministra.

Empresários espanhóis investem no processamento de fruta tropical na Guiné-Bissau

A empresa de capitais espanhóis Eco Bissau, que centra a sua actividade no processamento e exportação de mangas da Guiné-Bissau para o mercado da Europa, irá expandir-se agregando à sua oferta outros frutos tropicais, afirmou o director-geral.



Cristobal Jose Sanchez, que não revelou o valor do investimento inicial, disse que a empresa pretende começar a exportar cerca de 3 mil toneladas de manga por ano, tonelagem que será aumentada a prazo com a adição de outros frutos.

Localizada nos arredores de Mansoa, a 50 quilómetros de Bissau, a empresa ocupa uma área de 5 mil quilómetros quadrados, que inclui armazéns frigoríficos e a zona de processamento e empacotamento.

A Eco Bissau dispõe ainda de viveiros para o cultivo de variedades levadas de Espanha para testar a sua adaptação às condições da Guiné-Bissau e uma área onde se pretende dar formação de novas técnicas de produção aos agricultores locais.

Presente na cerimónia de inauguração, o primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Domingos Simões Pereira, anunciou que dentro de um mês será inaugurada uma fábrica em Safim, arredores de Bissau, para a transformação de tomate em pasta e de manga em compota.

O ministro da Agricultura, João Aníbal Pereira, disse, por seu turno, que o governo está a estabelecer contactos com as estruturas congéneres de países como a Costa do Marfim para a introdução no país das culturas do cacau, café e sésamo.

João Aníbal Pereira salientou que com a introdução daquelas três culturas de rendimento os camponeses guineenses teriam hipótese de comercializar produtos agrícolas ao longo de todo o ano.

Construtora portuguesa EMCOCI faz a reabilitação da Praça dos Mártires de Pindjiguiti

Bissau – A Empresa de Construção Civil (EMCOCI), de Portugal, vai executar as obras de construção e reabilitação da Praça dos Mártires de Pindjiguiti, na Avenida 3 de Agosto.



Para este efeito, o secretário de Estado da Administração e Ordenamento do Território, Abu Camará, presidiu à cerimónia de lançamento da primeira pedra para construção da referida praça, cujas obras têm um horizonte temporal de dois meses e meio.

Em declarações à Imprensa, o governante destacou a importância de reabilitação e requalificação de lugares públicos ao nível da capital, tendo anunciado algumas alterações em termos de aspectos originais deste lugar já em estado avançado de degradação.

Para o Presidente da Câmara Municipal de Bissau, Adriano Ferreira, trata-se do desenvolvimento urbano da cidade, com as obra já em curso na histórica Praça dos Mártires de Pindjiguiti.

Neste sentido, o responsável máximo da autarquia de Bissau informou que os próximo passos serão o Bissau Velho, que terá igualmente uma intervenção através da calçada portuguesa.

«Vai ser embelezado porque já nos movimentámos para fazer trabalhos ao nível da capital, como foi na Praça Titina Sila, em Bissau Velho vai ser utilizada calçada portuguesa numa zona, com intensas actividades de lazer e gastronomia», disse Ferreira.

Além desta localidade, o Presidente da Câmara Municipal de Bissau falou do início das obras antes do final de 2015, com a intervenção da sua instituição no Jardim em frente ao Comissariado Nacional da Polícia de Ordem Publica, Jardim da Meteorologia, Rotunda da 2.ª Esquadra e construção de infra-estruturas habitacionais na zona de Bra, Antula Bono e Antula.

Por outro lado, o edil de Bissau falou das obras de construções da nova paragem da cidade, dizendo haver dificuldades devido à construção clandestina de casas, tendo informado que em Brá a Câmara Municipal de Bissau tem indicações de um lugar onde vai ser criado um posto de venda de gado doméstico.

Para Júlio Miguel, Administrador da EMCOCI, a sua instituição vai trabalhar em turnos para recuperar as duas semanas perdidas, para que as obras possam ser realizadas até 30 de Julho.De acordo com Júlio Miguel, trata-se de uma obra com uma área de 16 metros quadros, que vai concluir este trabalho com muitas melhorias.